• Dicas de Poupança

Contas Poupança: 6 Dicas de como escolher a melhor?

Atualizado: Abr 12

Aprender a poupar é algo que nos falam desde pequenos. Que não devemos gastar todo o dinheiro que nos dão e que devemos guardá-lo para mais tarde. Não sabemos bem o porquê e achamos que aquilo nem faz sentido nenhum. Poupar para mais tarde? Como assim? Só com o passar dos anos, quando compreendemos verdadeiramente o significado do dinheiro e o que nos custa a ganhar, é que começamos a perceber para que serve a poupança. Aliás, compreendemos que existe outra palavra tão ou mais importante associada à poupança e que é o investimento. Aprender a investir e saber como fazer as poupanças crescerem é algo que nos permite viver a vida de forma mais tranquila. No entanto, as baixas taxas de juro oferecidas pela banca, fazem-nos das tradicionais contas poupança. Conheça neste artigo as diferentes contas poupança para que tome a melhor decisão para o seu caso concreto.

O que é uma conta poupança?


A conta poupança é um produto financeiro, onde é possível salvaguardar as poupanças e fazê-las render. Uma conta deste género acaba por funcionar como um verdadeiro mealheiro:, na medida em que vamos fazendo reforços adicionais e periódicos à conta, enquanto, que os juros também vão contribuindo para o seu aumento.


A diferença entre esta conta e a conta corrente, é que esta tem unicamente o objetivo de poupar, enquanto a primeira, englobas as operações correntes de transação, como depósitos e pagamentos. Esta conta pode estar vinculada a uma conta corrente ou ser aberta separadamente numa instituição financeira.


A poupança não é só uma conta mas também um meio de investimento, que apesar da baixa rentabilidade, ainda atrai muitas pessoas a aplicar o seu dinheiro.


Como funciona a conta poupança?


O montante (valor) que estiver depositado na conta poupança, fica reservado no banco. Ou seja, fica lá parado como que se tratasse de um mealheiro e a ideia é que vá colocando periodicamente sempre mais. Associado a essa conta poupança está uma determinada taxa de juro, que tradicionalmente é baixa. Assim sendo, todos os meses essa conta irá ser remunerada em função dessa taxa de juro, que irá crescendo.


Apesar da ideia ser deixar o dinheiro de parte e não fazer uso dessa conta poupança, o dinheiro continua a ser seu e poderá movimentá-lo, no entanto, se o fizer perderá o juro associado ao período que o juro não chegou a vencer. Imagine que a conta poupança iria vencer o juro no dia 30 desse mês e que no dia 24 retira dinheiro da conta poupança. Nesse mês, a conta não irá ser remunerada com o juro.


Neste tipo de conta nenhuma comissão deve ser cobrada pelo banco, já que não é utilizada como uma conta corrente. O seu uso é direcionado apenas à aplicação da poupança e à obtenção da sua rentabilidade.


Por que devo optar por uma conta poupança?


Antes de mais é importante referir que em termos de investimento não costuma ser uma boa opção apostar tudo na mesma estratégia. Quer isto dizer que não deverá colocar todas as poupanças na mesma aplicação/conta, para não vir a perder oportunidades e/ou para jogar pelo seguro.


Por outro lado, guardar o dinheiro em casa, também é um risco eminente, uma vez que o roubo a residências é um dos crimes mais comuns em Portugal. Além disso, também acarreta um real desvalorização ao longo do tempo. E por outro lado, existem também riscos de incêndio, inundações, entre outros. Por estes motivos, cremos que guardar as poupanças em casa não é a escolha acertada.


Para além de tudo isto, o simples facto de ter depósitos a prazo ou contas poupança, poderá servir como garantia, no caso de vir a necessitar de recorrer a financiamento bancário, por exemplo, adquirir casa com recurso ao crédito à habitação. Ora, se guardar essas poupança em casa, o banco não irá ter conhecimento do montante que conseguiu acumular. Já se o tiver investido num ativo financeiro, o banco irá ter em consideração que é capaz de poupar e, como tal, que terá mais propensão a honrar o compromisso de pagar as prestações. E isso pode traduzir-se em conseguir o empréstimo com maior facilidade e com melhores condições, ou seja, juros mais baixos.


Como escolher a melhor conta poupança?


Então na hora de escolher uma conta poupança deverá ter em atenção alguns critérios, para que faça a melhor escolha para a sua situação em particular. Assim, deixamos os principais pontos a ter em atenção:


1. A escolha da instituição financeira

O primeiro passo que deve dar antes de tomar qualquer decisão é de analisar as várias opções que estão disponíveis nesse momento. Deve assim analisar o que cada instituição tem para oferecer e compará-las, tendo em atenção as suas reais necessidades. Claro que aqui deverá ter em consideração várias variáveis, nomeadamente, os vários custos associados (abertura, manutenção,...), bem como o retorno oferecido (taxa de juro).


Nesta análise, tenha também em consideração que se tiver uma conta em algum banco, é possível que consiga usufruir de determinadas vantagens. Verifique e compare.

2. Valor para abertura Para decidir a melhor opção onde constituir a sua conta poupança, é importante ter presente qual o valor com que irá iniciar a poupança. Nesta fase, poderá ter ou não um pé de meia, ou seja, um valor inicial para a abertura da conta poupança. Tem de ter em conta que existe sempre um valor mínimo para a abertura da conta, que irá variar em função da sua escolha. Considere um mínimo de 100€ para a abertura da conta poupança. 3. Reforços Outra variável que tem de prestar especial atenção é ao nível dos reforços. Compreender se poderá reforçar a sua conta poupança e em que condições é fulcral na hora de escolher a melhor opção para si. Na opinião do Dicas de Poupança, ser possível fazer reforços à conta poupança é uma questão muito importante a ter em conta na hora de escolher a conta poupança. Hoje, pode até não parecer muito importante, se abrir a conta logo com 10.000€ e não esteja a pensar em fazer reforços. No entanto, ter a opção de puder vir a fazê-los é uma opção interessante.


Ainda quanto aos reforços, também verifique a periodicidade destes e se existem eventuais penalizações no que se refere aos juros. Algumas contas poupança permitem os reforços que entender e outras só em momentos e montantes específicos. Por exemplo, algumas permitem reforços que valores standard, sem que o cliente possa colocar na conta o valor que desejar.


Se lhe for permitido fazer depósitos na conta, dependendo das taxas de juro, é uma mais-valia. Informe-se e compare.


4. Juros

Relacionado com a Dica anterior, tenha em atenção se os reforços que fizer influenciam e/ou condicionam o pagamento de juros, ou se existem penalizações.

Tenha também atenção à periodicidade do pagamento dos juros (mensais, trimestrais, semestrais ou anuais). Pode não ser relevante para si, receber os juros apenas no final de cada ano da renovação da conta poupança. Mas, também pode ser um fator determinante para si! Analise e escolha o que melhor se adapta às suas necessidades. Também deve analisar se os juros são capitalizáveis ou não. Isto quer dizer que deve informar-se se o valor dos juros é disponibilizado na sua conta à ordem ou se cai diretamente na conta poupança e continua a acumular os juros sobre os juros (capitalização).


Tradicionalmente, as taxas de juro das contas poupança, quando comparadas com outras aplicações financeiras não são muito atrativas. No entanto, não acarretam riscos, e há quem seja avesso ao risco e não o queira correr, preferindo uma taxa de juro mais baixa, mas segura. A taxa de juro que deve ter em atenção é a Taxa Anual Nominal Bruta (TANB), que é aquela que remunera as aplicações financeiras. Quanto mais alta for a TANB, maior será o valor que irá receber em juros. No entanto, tenha cuidado que esta não é a única variável! Tenha atenção às restantes e o que melhor se adequa às suas necessidades.


5. Resgate Esta Dica está implícita em algumas das anteriores. A ideia é que deve ter cuidado ao prazo de resgate da conta poupança. Além disso, também é importante analisar em que condições poderá fazer o resgate total ou parcial da sua conta poupança. Hoje tem umas determinadas necessidades, e amanhã poderá ter outras. E mesmo que pense que não vai resgatar o valor nos próximos 5 anos, considere que poderá surgir algum imprevisto que o leve a ter de equacionar um resgate antecipado. E essa conta poupança permite-lhe esse resgate? E em que condições? Em que penalizações irá incorrer? Perda de juros? Ou algo mais? Por exemplo, uma conta poupança a prazo (com período temporal específico), não lhe irá permitir fazer um resgate sem contrapartidas. Analise e informe-se.


6. Planeamento A nossa última Dica é transversal a todas as outras e tem a ver com organização e planeamento. Pesquise, informe-se, faça simulações e compare. Em caso dúvidas, opte pelo seu banco ou por um banco sólido, pois confiança e solidez é tudo o que queremos na hora de "largar" o nosso dinheiro!

Se continuar com dúvidas, a equipa do Dicas de Poupança está cá para ajudar!


Existem no mercado muitas outras opções além das contas poupança. Acompanhe o Dicas de Poupança que vamos informando acerca de todas elas.

25 visualizações0 comentário